Procura-se um Livro

Eles podem ser coloridos ou apresentar apenas uma cor, de capa dura ou até mesmo digital, muitos, se vendem pela capa. A quem diga que ele se torna mais interessante quando há imagens dentro dele, outros apenas se importam com o conteúdo. O livro tem uma importância histórica na sociedade, pois surgiu na forma de papiro no Egito Antigo, transformou-se em pergaminho, posteriormente, com a invenção da prensa por Gutemberg veio as publicações em forma como conhecemos, e nos dias atuais chegamos aos meios digitais, com os famosos e-books.

No entanto, com a profunda evolução de suas características de suporte, os livros nunca mudaram a sua essência de documentar e transmitir um ensinamento ou mensagem. A cada dia, e a cada geração, o índice de escritores cresce de modo acelerado, porém, o seu público-alvo: os leitores, ainda não acompanham o mesmo ritmo.

De acordo com a última edição da Pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, desenvolvida em março de 2016, pelo Instituto Pró-Livro, o brasileiro lê em média 2,43 livros por ano. O estudo também revela que 30% da população nunca comprou um livro, o que vem de encontro com o índice de analfabetismo no país que atinge 11,5 milhões de pessoas.

Diante dos fatos, a Família Rotária que está comprometida no mês de setembro com a educação básica e alfabetização, realiza anualmente diversos projetos que tentam estancar a taxa de analfabetismo e incentivam o hábito da leitura.

Em vista disso, a Vitrine de Projetos adentra no mundo da leitura e vai até o Distrito 4710, no Rotaract Club de Jacarezinho, para conhecer o projeto #LivroPerdido, que envolve clubes do México, Costa Rica, Peru, Argentina e Bolívia.

O projeto é baseado em um projeto mundial conhecido como “Club of the lost books”, que consiste em perder livros em espaços públicos para disseminar o hábito da leitura. Trazendo um traço moderno, a ideia foi inovada para alcançar mais facilmente a população jovem adicionando hashtags nas mídias sociais, Instagram, Facebook, Snapchat e WhatsApp.

O #LivroPerdido foi dividido em quatro etapas: coletar livros, usados ou novos; divulgar nas redes sociais; “perder” os livros; e ter o feedback dos participantes do projeto através das redes sociais.

Na primeira fase, o Rotaract Club de Jacarezinho conseguiu através de doações livros de literatura infanto-juvenil. Na segunda parte, os rotaractianos utilizaram as redes sociais para explicar o projeto e divulgar os locais aonde poderiam ser encontrados os livros.

Atualmente, o projeto está na sua terceira etapa: “perder” os livros. Conforme o projeto, alguns companheiros do clube levam os livros para os pontos escolhidos, depois de deixados é tirada uma foto do local e postado uma breve descrição dos livros que estariam naquele ponto, assim incentivando a ida das pessoas até o local.

Com o projeto em andamento, até o momento o clube obteve um investimento de R$ 26,00, com as impressões de marca página. Em relação as parcerias, o Rotary e Interact de Jacarezinho auxiliaram na arrecadação de livros e divulgação do projeto.

Segundo o presidente do Rotaract Club de Jacarezinho, Luís Fernando Ruiz, o clube optou em mudar a estratégia original do projeto, adaptando para a realidade do seu município. Foram montadas duas caixas para os livros, as quais foram adesivadas com a logo do clube e deixadas nos locais escolhidos. “Esse foi o diferencial no modo de realizar o projeto, a ideia era de realmente deixar cada livro em algum ponto da cidade, como se estivesse “perdido”, porém escolhemos por essa estratégia de eleger alguns locais específicos”, explica ele.

O resultado, ainda preliminar, já revelou o sucesso do projeto.

“Houve uma procura muito grande pelos livros. Nos primeiros dias muitos dos livros deixados já não estavam mais nas caixas”, relata o presidente.

O #LivroPerdido tem a previsão de findar em novembro deste ano, e após isso, vem a quarta etapa: o feedback. Com a hashtag criada será possível mensurar os resultados e gerar uma interação entre as pessoas que participaram do projeto, consequentemente dando visibilidade ao Rotaract.

O projeto de Jacarezinho incentivou os cidadãos da cidade a ler mais. Os “novos” donos dos livros perdidos foram agraciados pelo saber e conhecimento. E você, quantos livros você lê por mês? Quantos livros você lê por ano?

Fica a reflexão.

 

Quer conhecer mais sobre o projeto?

Acesse: https://www.facebook.com/ rotaractdejacarezinho

Conteúdo Produzido por Luan Berti | Redator da Rotaract Brasil

O Projeto Livro Perdido faz parte da Vitrine de Projetos da Rotaract Brasil.

Quer participar, saiba mais no link: http://goo.gl/asbH05

 

Comentários no Facebook