Mãos que Inspiram

No Brasil, durante os meses de agosto e setembro, ocorreu a Campanha Nacional de Vacinação contra a Poliomielite e o Sarampo. De acordo com o levantamento do Ministério da Saúde, o país ultrapassou a meta e vacinou, pelo menos, 95% das crianças de um a menores de cinco anos. O balanço também registrou que mais de 4,4 mil municípios cumpriram a meta estipulada pelo governo.

Embora a campanha de vacinação seja realizada entre agosto e setembro, o Rotary International, durante o mês de novembro, celebra o mês da Fundação Rotária, instituição que há mais de 100 anos, transforma contribuições financeiras em projetos que mudam a vida de pessoas em todo o mundo, entre eles, o End Polio Now, de combate e prevenção a Poliomielite.

E para mostrar que os jovens também estão engajados nessa luta, a editoria Vitrine de Projetos pousa no Distrito 4480, mais precisamente no Rotaract Club de Lins, para falar sobre o projeto “Mãos que fazem a diferença”, que teve como objetivo levantar doações para a Fundo Pólio Plus, por meio da Fundação Rotária, destinando recortes de algodão para confecção de cobertores para pessoas carentes da cidade de Lins, São Paulo.

A ideia de realizar o projeto surgiu no ano rotário 2017-18, quando o lema era “O Rotary faz a diferença”. Segundo o presidente do Rotaract Club de Lins 2018-19, João Real, o projeto iniciou na gestão da past-presidente, Melissa Iwani, e findou no final de junho de 2018.

Para cada doação feita, no valor de R$ 10,00, o doador adquiria o direito de estampar a sua mão em um pedaço de tecido, que posteriormente seriam confeccionados cobertores para pessoas carentes. Conforme o presidente do clube, o projeto esteve apoiado no ‘Hands for Polio’, projeto do Distrito 4420.

A confecção dos cobertores ficou ao cargo dos seus associados e também contou com apoio de familiares dos mesmos. “Finalizamos o projeto neste ano rotário, que traz como lema ‘Seja Inspiração’, o que nos permitiu sentir que a contribuição dos cobertores conseguiu aquecer as pessoas em situação de dificuldades”, comenta Real.

Em relação a situação financeira para a realização do projeto, o clube investiu em compra de tecidos, tintas, entre outros materiais. A proposta foi aplicada em 12 lugares diferentes, arrecadando um total de R$ 1.740,00, o qual todo o valor foi doado para a Fundação Rotária.

Foram confeccionados aproximadamente 25 cobertores, com 174 mãos estampadas em cada pedaço de tecido. “Ao nos comprometermos em realizar um projeto durante um ano inteiro, foi necessário que todos os membros estivessem de acordo com o dia e a realização do mesmo em diversas datas e momentos. Não encontramos muitas dificuldades, mas sentimos que o projeto poderia ter chego para mais clubes de Rotaract e de Rotary da nossa região”, salientou o presidente João Real.

O projeto “Mãos que fazem a diferença” uniu três enfoques em apenas uma proposta, sendo: conscientização contra a Pólio, doação à Fundação Rotária e ajudar o próximo. E embora, exista alguns meses focados na campanha contra a poliomielite e um dia mundial para isso, todos os clubes devem estar engajados durante todo o ano, para que em um futuro bem próximo possamos erradicar essa doença.

O Projeto “Mãos que fazem a diferença” faz parte da Vitrine de Projetos da Rotaract Brasil.

Quer participar, saiba mais no link: http://goo.gl/asbH05

Conteúdo Produzido por Luan Berti | Redator da Rotaract Brasil

Comentários no Facebook